Apesar da Escuridão (Gn. 1) – Shalwá

0
570

Texto do Vídeo

Durante todos os dias da Criação, a Torá sempre relata dois períodos: o período de luz, isto é, o dia. E o período de trevas, isto é, a noite.

A primeira obra a ser criada foi a luz. No entanto, logo surgiu a noite, e a luz se ocultou. Da mesma forma, durante os três primeiros dias, o Eterno realizou maravilhas, mas elas nem sempre estavam visíveis, pois ao término de cada obra, novamente surgia a noite.

Sabemos que, na realidade, o Eterno não trabalha só de dia, nem só de noite. Para o Eterno não há dia nem noite, pois o próprio tempo é uma criação dEle.

Nossos sábios dizem que a Torá fala uma linguagem própria para que o homem possa compreender. Que mensagem a Torá pode querer transmitir ao dizer que a noite sempre surgia após cada obra?

Temos a tendência de achar que, porque não estamos vendo a obra do Eterno, ela não está ocorrendo.

Frequentemente, buscamos, pedimos, clamamos ao Criador, e tudo parece estar em trevas. Não conseguimos enxergar a sua ação.

Mas o que a Torá ensina é que as trevas não são sinônimo de inatividade, apenas um período em que nós não conseguimos ver o que Ele está fazendo.

Se sua vida hoje parece uma noite sombria, e você tem dificuldade de enxergar o Eterno atuando, não se desanime, nem se desespere. O Eterno trabalha a todo momento.

Assim como na Criação e quando a manhã surgia, a obra ocultada pela noite se revelava, assim também você brevemente conseguirá ver toda a maravilha do que o Eterno fez.

Caso deseje, faça esta oração: Eterno, Rei do Universo, Tu criaste todas as coisas para o bem, e não para o mal. Mesmo em meio às trevas, Tu serás a minha luz. Por Tua fidelidade, jamais estarei sozinho(a). Ajuda-me a me manter tranquilo(a), confiando que Tu me amparas a todo momento.