As 8 Condições Ideais para a Oração Diária / `Amidá (Judaísmo em 5 Minutos)

0
1190

Texto do Vídeo

No primeiro episódio, falamos a respeito das 5 condições indispensáveis para a oração diária.

Hoje falaremos sobre mais 8 condições ideais para se fazer a oração. Embora estas de hoje sejam as condições ideais, se alguém não as observa, a oração ainda assim permanece válida.

1) Ficar de pé

A primeira delas é estar de pé. O próprio apelido dado à oração diária, chamada de `Amidá, significa literalmente ‘de pé’. Se possível, o ideal é evitar estar sentado ou deitado na hora de rezar, por questões de respeito.

2) Voltado para o Santo dos Santos, do Templo de Jerusalém

A segunda é voltar-se para Jerusalém, na direção onde deve ficar o Santo dos Santos no Templo. Caso isso não seja possível, a pessoa que reza deve voltar o seu coração para a Presença do Eterno.

3) Posição de Servo

A terceira é colocar-se na posição de servo. Na cultura do Oriente Médio, isso significava não elevar os olhos, mas sim voltá-los para o chão. Caso a pessoa consiga rezar sem precisar segurar o sidur, o ideal é colocar as mãos sobre o coração, com a direita sobre a esquerda, indicando humildade.

4) Roupas limpas e dignas

A quarta é estar com roupas adequadas. O ideal é que as roupas estejam limpas, e que não se esteja trajando roupas de baixo. Se você não ficaria com as pernas descobertas na frente de uma autoridade, o ideal também é que isso não ocorra quando estiver rezando.

Cabeça coberta

O ideal é que tanto homens quanto mulheres cubram suas cabeças. Recomenda-se ainda que, nas orações diurnas, os homens estejam envoltos com talêth, o xale de oração.

5) Lugar ideal

A quinta se refere ao lugar ideal. De preferência, não deve ser um lugar elevado, plataforma, nem um lugar arruinado. Se houver portas ou janelas voltadas para Jerusalém, o ideal é que estejam abertas e a pessoa que reza voltada naquela direção.

Quem está próximo a uma sinagoga não deve voltar suas costas para ela, mas sim voltar sua face em sua direção.

Respeitar a distância

Pessoas que não estejam rezando devem ainda respeitar uma distância de cerca de 2m daquele que reza, para não atrapalhá-lo.

6) Controle da voz

A sexta condição ideal é o controle da voz. Deve-se rezar em voz baixa, pronunciando as palavras em tom de sussurro, de forma que só a própria pessoa que reza consiga ouví-las.

Quando se reza individualmente, mas na companhia de outras pessoas, é muito importante que sua voz não perturbe a concentração dos demais.

7) Curvar-se sobre os joelhos

A sétima é o curvar-se sobre os joelhos, de modo que sua coluna forme um arco. No Oriente Médio, essa era a forma pela qual se prestava reverência a um rei ou autoridade.

Na `Amidá, isso ocorre em 5 momentos: No início e no final da primeira bênção, e da bênção de agradecimento. Deve-se curvar ao proclamar a palavra Barukh (ou ‘Bendito’ no português) e levantar-se quando se diz a palavra Adonay.

Por fim, ao concluir a oração, curvamos os joelhos e damos 3 passos para trás, voltando sua cabeça para a esquerda, e depois para a direita. Nos tempos bíblicos, essa era a forma de respeitosamente pedir licença a um rei.

8) Prostrar-se

A oitava condição ideal é prostrar-se. Após a conclusão da oração, deita-se plenamente e se apresenta súplicas perante o Criador. Geralmente, isso é feito em dias comuns, mas não em datas festivas, como Shabat ou solenidades.

A prática de ajoelhar-se e prostrar-se é descrita nas Escrituras, e determinada pelos sábios na lei judaica. Infelizmente, a maioria dos judeus perdeu esse hábito, mas, essa permanece sendo a forma adequada de se rezar.

Se, contudo, alguém visita uma comunidade que não tem essa prática, deve se abster de fazê-la, para não gerar constrangimentos.

Ajoelhar-se ou prostrar-se pode ser feito em qualquer tipo de piso, exceto em chão de pedra, pois nos tempos bíblicos, essa era a prática dos idólatras.

Fazendo o Melhor

Como dito no princípio, essas práticas são o ideal. Porém, a ausência delas não invalida a oração. Deve-se sempre buscar fazer o melhor que estiver ao seu alcance.

Fontes

  • Tanakh: Yeshayahu/Isaías 66:23
  • Mishnê Torá – Sefer Ahabá – Hilkhot Tefilá capítulo5